NOVA XAVANTINA

‘Recebemos trote todos os dias’, diz sub comandante da 4ª CIBM de Nova Xavantina

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on whatsapp


Além de cobrir uma área de mais de 700 km, entre Nova Xavantina e Vila Rica, incluindo Cocalinho, com as dificuldades de efetivo, viaturas e equipamentos, integrantes da 4ª Companhia de Bombeiros Militar do município enfrentam um terrível e antiquado inimigo, que se julgava não existir mais em pleno século 21: o trote.

A informação é do Sub Comandante da Cia, II Tenente Kallel Novaes Ribeiro, que responde pela corporação durante as férias do titular, Tenente Leandro Konze. Kallel falou ao site NX1 e programa Rezende Notícias na tarde desta terça feira, 06.

"Recebemos trote todos os dias, alguns de um mesmo telefone durante todo um período" disse o sub comandante, lamentando a situação, que faz perder tempo toda a corporação, além de retirá-la do atendimento de outras ocorrencias que por ventura sejam mais graves, e que podem custar vidas ou graves prejuízos às vítimas.

PREJUÍZO MATERIAL E DESGASTE EMOCIONAL

"Quando a equipe sai do pátio, sai preparada para enfrentar o osbstáculo conforme o recebimento da ligação; sai para resolver a situação, aí chega lá é trote. Há todo um desgaste psicológico e material neste tipo de crime difícil de recompor" disse o sub comandante.

"Essas pessoas deviam vir aqui na corporação e conhecer o nosso dia a dia, passar um dia conosco, para ver o mal que ele causa quando nos passa um trote" acentuou.

Ao enumerar as operações da companhia, que não se resumem apenas à apagar incendios, o sub comandante destacou os principais tipos de ocorrencia atendidas diáriamente, que vão desde o atendimento de vítimas do chamado "mal súbito" -a principal-, ao  corte ou poda de árvores que estejam comprovadamente pondo em risco a vida dos moradores, remoção ou extinção (dependendo do caso) de cacho de marimbondos e abelhas e atendimentos à acidentes,  que exijem preparo pré hospitalar inerentes aos bombeiros para remover os acidentados.

FALSIDADE IDEOLÓGICA

O crime de falsidade ideológica está tipificado no artigo 299 do código penal brasileiro que assim o caracteriza:

Art. 299 – Omitir, em documento público ou particular, declaração que dele devia constar, ou nele inserir ou fazer inserir declaração falsa ou diversa da que devia ser escrita, com o fim de prejudicar direito, criar obrigação ou alterar a verdade sobre fato juridicamente relevante:

Pena – reclusão, de um a cinco anos, e multa, se o documento é público, e reclusão de um a três anos, e multa, de quinhentos mil réis a cinco contos de réis, se o documento é particular.

Considerando que o trote telefonico gera um documento – o boletim de ocorrência- que vai "criar obrigações" como diz o texto da lei, no caso, mobilizando toda uma equipe para o "falso" atendimento; este tipo de ação é enquadrada como crime de falsidade ideológica, cuja pena aos autores é de um à cinco anos de reclusão.

A entrevista na íntegra com o sub comandante Kallel Novaes Ribeiro irá ao ar nesta quarta feira, 07, no programa Rezende  Notícias, levado ao ar de segunda à sexta feira às 12 horas,  pela Rádio Rezende FM-90.7 – sintonizada em você.

Acompanhe!

        

 

 

Comente abaixo:

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on whatsapp

FAMOSOS

Últimas Notícias