NOVA XAVANTINA

Palmeiras bate Cero Porteño por 3 a 0 no Paraguai

COMPARTILHE

Na noite desta quarta-feira (29), o Palmeiras enfrentou a equipe do Cerro Porteño-PAR e, com gols no segundo tempo, com dois gols de Rony, aos 15 e aos 24 minutos, e depois do zagueiro Murilo, aos 41, e venceu por 3 a 0, no Estádio General Pablo Rojas, em Assunção (PAR). Com isso, além de sair na frente por uma vaga nas quartas de final, o Verdão ainda chegou a oito vitórias seguidas pelo torneio continental, passando a ser o clube com mais triunfos em série desde a criação da Libertadores, em 1960 – o time de Abel Ferreira igualou as oito vitórias seguidas do Peñarol-URU (1966), do Estudiantes (1968 a 1970), do Cruzeiro (1976), do Vasco da Gama (2001) e do Santos (2007).

Clique aqui para ver a ficha técnica, estatísticas e tudo sobre o jogo!

O jogo de volta está marcado para o dia 06/07 (próxima quinta-feira), às 19h15, no Allianz Parque (SP). Antes, o Maior Campeão do Brasil entra em campo pelo Campeonato Brasileiro, no dia 02/07 (sábado), às 21h, também no Allianz Parque, para enfrentar o Athletico-PR pela 15ª rodada do Nacional – o Verdão lidera o torneio com 29 pontos, contra 26 do vice-líder, Corinthians.

A sequência oito vitórias seguidas que o Verdão emplacou pela Libertadores – o que lhe rendeu mais um novo recorde geral no torneio – vem sendo construída desde 2021, quando, no último jogo daquela edição, superou o Flamengo por 2 a 1 em campo neutro, tendo sido campeão. Depois, nos seis primeiros jogos da fase de grupos, venceu todos os seus compromissos, embalando, agora, a sua oitava vitória.

De quebra, o Maior Campeão do Brasil ampliou outro recorde geral que possui na Libertadores: o de ser o time com mais jogos invictos como visitante na história da competição. Agora são 19 jogos seguidos sem derrota fora de casa (14 vitórias e cinco empates), seguido do River Plate-ARG de 2018-19, que chegou a 12. No cenário visitante, a última derrota palestrina foi para o San Lorenzo-ARG, por 1 a 0, em Buenos Aires (ARG), pela fase de grupos em 2019 – os números não contabilizam o duelo com o Santos na final de 2020, no Maracanã, e contra o Flamengo na final de 2021, no Estádio Centenário de Montevidéu, por terem sido disputadas em campo neutro.

E se o Palmeiras chegou à sua oitava vitória seguida na Libertadores, o número de jogos invictos que o clube vem (independentemente do mando de campo) é ainda maior: soma 15 partidas com a de hoje (12 vitórias e três empates). Este número, além de ser o recorde do time com mais jogos invictos pela competição – nesta edição, superou as 11 partidas seguidas sem perder na edição de 2020 (até então o recorde máximo do clube) -, se aproxima do recorde geral de partidas invictas da história do torneio, que pertence ao Atlético-MG, que ficou por 18 partidas sem perder (marca encerrada nesta edição de 2022).

Vale destacar que o Palmeiras domina as principais estatísticas dentre os clubes brasileiros na Libertadores: é o time nacional mais vezes campeão (três títulos), com mais finais disputadas (seis), com mais edições disputadas (22), mais edições disputadas consecutivamente (7, ao lado do São Paulo), com mais jogos (217), mais vitórias (124) e mais gols no geral (420); com mais jogos como mandante (106), mais vitórias como mandante (74), mais gols como mandante (246); com mais jogos como visitante (108), mais vitórias como visitante (48) e com mais gols como visitante (171).

E além de ser o clube numericamente mais absoluto dentre os brasileiros, detém outros recordes gerais da competição, dentre todos os clubes nos 62 anos de história da Libertadores da América. Além dos já citados recordes de vitórias seguidas pela competição (oito, recorde imposto hoje), e da série mais ampla invicta como visitante (ampliada para 19 duelos neste noite), o Verdão ainda detém a marca de ter sido o time que encerrou a fase de grupos com a melhor campanha nesta etapa da competição: 100% de aproveitamento (6 vitórias), 25 gols marcados (melhor ataque) e 3 gols sofridos (melhor defesa, ao lado do River Plate).

Com as 25 bolas na rede nos seis duelos da fase de grupos deste ano, o Palmeiras se tornouo time em todos os tempos da história da Libertadores (instituída em 1960) a ter feito mais gols nesta etapa do campeonato – antes, o clube que mais havia marcado em uma fase de grupos foi o River Plate-ARG, em 2020, com 21 gols.

O Palmeiras também passou a deter nessa edição de 2022, o recorde de ser o time que, ao longo de todas as fases de grupos de Libertadores já disputadas na história, se classificou com mais pontos de diferença para um segundo colocado do mesmo grupo: neste ano, fechou com 18, contra 8 doEmelec-EQU, superando o antigo recordista Santos, que havia registrado nove pontos de diferença duas vezes (em 2007 e 2020).

Outro  recorde geral do Palmeiras na Libertadores em decorrência da ótima campanha de 2022 foi quando fez 8 a 1 em casa, contra o Independiente Petrolero-BOL. Naquela noite, sete gols foram marcados só no segundo tempo e, com isso, o Palmeiras tambémse tornou o recordista dentre os clubes a ter feito mais gols em um único período do jogo na história da Libertadores, ao lado do Santos contra o Cerro Porteño-PAR, em 1962 (venceu por 9 a 1, marcando sete em um só tempo); do Peñarol-URU sobre o The Strongest-BOL, em 1971 (triunfou por 9 a 0, sendo sete em um período) e também do River Plate-ARG em 2020. 8×0 Binacional, em 2020 (goleou por 8 a 0, com sete em uma só etapa).

Aliás, aqueles 8 a 1 sobre o Independiente Petrolero-BOL, em casa, no último dia 12 de abril, registraram a nova maior goleada do Verdão na Libertadores, superando os 7 a 0 sobre o El Nacional-EQU pela edição de 1995; esses 8 a 1 também representam a nova maior goleada do Verdão no Allianz Parque, por qualquer competição, inaugurado em 2014, superando os 6 a 0 sobre o Universitário-PER, pela Libertadores de 2021, em 27 de maio daquele ano.

E para finalizar a série de recordes gerais do Palmeiras na Libertadores, o Verdão é o time que, atualmente, é detentor damelhor média de gols geral de todos os times da Libertadores, pois, com 420 gols em 217 partidas, detém a melhor média de gols dentre todos os times com pelo menos 150 jogos na história da Libertadores – ou seja, as equipes que mais frequentam o torneio continental ao longo das edições (este levantamento inclui clubes de qualquer nacionalidade): o Verdão ostenta 1,93 gol marcado por partida, seguido do Flamengo (com 1,92 na média por partida, 298 gols em 155 jogos) e Santos (terceiro, com 1,87 gol por jogo – 287 gols em 153 jogos).

Aliás, com seus agora 420 gols em 217 jogos disputados na Libertadores, o Palmeiras aparece na sexta posição entre os times que mais fizeram gols na história da Libertadores, atrás só do Olimpia-PAR, 5°, com 469 gols (em 332 jogos); do Boca Juniors-ARG, 4°, com 476 gols (em 314 jogos); do Peñarol-URU, 3°, com 560 gols (em 375 jogos); do Nacional-URU, 2°, com 566 gols (em 407 jogos); e do River Plate-ARG, 1°, com 634 gols (em 379 jogos). Já o segundo brasileiro que mais foi às redes é o Grêmio (11º do ranking geral), com 318 gols em 207 jogos.

Contra o adversário da vez, especificamente, o Palmeiras fez jus ao histórico numérico: este foi o 12º confronto entre as equipes, e agora são seis vitórias contra duas do adversário (outros quatro jogos terminaram empatados) – ou seja, o triplo em relação ao rival. Foram, ao todo, 27 gols marcados contra 11 sofridos pelos paraguaios.

Palmeiras e Cerro Porteño-PAR são velhos conhecidos em disputa de Libertadores. Se encontraram em cinco edições do Continental anteriormente, sendo as quatro primeiras (1999, 2001, 2005 e 2006) pela fase de grupos, e na mais recente (2018), pelas oitavas de final com classificação palmeirense.

Diante de equipes paraguaias, agora o Alviverde disputou um total de 32 partidas e venceu quase o dobro destes duelos: 17 triunfos, 11 empates e cinco derrotas – 68 gols marcados contra 36 sofridos. Aliás, contra times dessa nacionalidade, atualmente, o Palmeiras vem de uma série invicta de cinco jogos: três vitórias e dois empates. Os quatro primeiros jogos haviam sido todos disputados pela Libertadores 2020, sendo os dois primeiros deles contra o Club Guaraní (vitória por 3 a 1 em casa e empate sem gols fora); e, depois, diante do Libertad (empate por 1 a 1 fora e vitória por 3 a 0 em casa).

Somente pela Libertadores, a história registra 23 jogos do Verdão contra times do país vizinho, sendo que hoje o Alviverde chegou à sua 10ª vitória (ótimo aproveitamento), além de oito empates e cinco triunfos paraguaios (são 37 gols marcados e 24 sofridos). Pelo Continental, os adversários paraguaios já enfrentados pelo Verdão foram, além do próprio Cerro Porteño, foram o Club Guaraní, o Club Libertad, o Olímpia e o Tacuary.

Duelos contra paraguaios remetem a uma curiosidade histórica, pois o primeiro adversário estrangeiro do verdão era paraguaio. A Taça Guarany marcou o primeiro compromisso contra um adversário internacional do Verdão (já o primeiro jogo fora do país aconteceria só em 1925, no Uruguai). O duelo em questão aconteceu no dia 26 de outubro de 1922 – oito anos após a sua fundação –, diante da Seleção do Paraguai. Na ocasião, o então Palestra Italia superou o adversário por 4 a 1 e ficou com o troféu – o Paraguai estava no Brasil para a disputa do Sul-Americano de seleções (atual Copa América) e terminou como vice-campeão (vale lembrar que o Brasil foi o grande vencedor do torneio, pela 2ª vez – havia conquistado o de 1919 – e, mais tarde, ainda ganharia os de 1949, 1989, 1997, 1999, 2004, 2007 e 2019, quase sempre com atletas do Palmeiras no elenco). (clique aqui e confira a matéria especial sobre os 90 anos da conquista da Taça Guarany). E mais: clique aqui e confira o vídeo especial da TV Palmeiras sobre o troféu por um historiador.

ASPECTOS INDIVIDUAIS

Com os dois gols marcados na partida, que renderam a vitória fora de casa ao Maior Campeão do Brasil, Rony se isolou como o maior artilheiro do Verdão na história da Libertadores. Antes, o camisa 10 estava empatado com Raphael Veiga – ambos com 14 bolas na rede. E agora, Rony foi a 16, sendo o número um isolado no quesito – nenhum outro palmeirense fez tantos gols quanto ele pelo Continental.

No geral da Libertadores, com esses 16 gols, Rony igualou outros jogadores que também atingiram esta mesma quantidade de bolas na rede pela competição. Deste eles, Pelé e Zico! Jardel é outro brasileiro que soma 16 gols no Continental. Já o maior artilheiro brasileiro em jogos de Libertadores é o atacante Luizão, com 29 gols, que vestiu a camisa do Palmeiras em 1996,enquanto o maior artilheiro geral da Libertadores é o equatoriano Alberto Spencer, com 54 bolas na rede (a maioria delas pelo Peñarol-URU) entre os anos 60 e 70.

Weverton também foi destaque. Além de mais uma atuação segura, o arqueiro ampliou ainda mais sua marca como o recordista em número de vitórias pelo Palmeiras em Libertadores: são agora 36 resultados positivos nos seus 48 jogos disputados. Gustavo Gómez aparece na segunda posição (sendo o primeiro dentre os jogadores de linha), com 34 vitórias, seguido do atacante Dudu, com 30, na terceira colocação da lista.

Não se pode deixar de citar também Marcos Rocha.Em toda a história da Libertadores, o camisa 2 é o único jogador brasileiro a ter disputado dez edições em sequência (de 2013 a 2017, pelo Atlético-MG, e de 2018 a 2022, pelo Palmeiras). No geral, o atleta fica atrás apenas do paraguaio Néstor Camacho, do Olimpia-PAR, que soma 11 edições consecutivas. Aliás, ao ter atingido dez edições, Rocha também passou a figurar dentre os brasileiros que mais disputaram a competição no total, ao lado de Danilo (Corinthians e São Paulo), Jean (Palmeiras, Fluminense e São Paulo), Fábio (Fluminense, Cruzeiro e Vasco da Gama), Fábio Santos (Corinthians, Atlético-MG, Grêmio e São Paulo) e Réver (Atlético-MG, Flamengo, Internacional, Grêmio e Paulista de Jundiaí-SP), todos também com 10 – mas nenhum deles ininterruptamente, ao contrário do camisa 2 do Verdão.

E não é só isso! Marcos Rocha já aparece entre os dez jogadores com mais vitórias na história da Libertadores, saltando com o triunfo de hoje da 8ª para a 6ª colocação. O lateral-direito do Verdão acumula 47 triunfos ao todo na competição (23 pelo Galo e, agora, 24 pelo Verdão). Nessa lista, ele está atrás só de Danilo (48 vitórias somando os jogos por São Paulo, Corinthians e demais clubes na Libertadores), na 4ª posição – dividida com Ever Hugo Almeida, com as mesmas 48 vitórias. Na segunda colocação, aparecem o goleiro Fábio, com 49 vitórias, ao lado do argentino Clemente Rodríguez. O líder desta ranking é o ex-goleiro Rogério Ceni, com 51 vitórias por jogos de Libertadores.

E se tem outro jogador que possui um dado de cair o queixo em Libertadores, este é Gustavo Scarpa, que possui atualmente um recorde maiúsculo. Em toda a história da Libertadores, desde 1960, é o jogador com melhor percentual de vitórias dentre todos os atletas, de quaisquer clubes, em todos os tempos, que atuaram no torneio por pelo menos 25 partidas. Scarpa, que só disputou Libertadores com a camisa palmeirense em sua carreira,venceu 23 dos 28 jogos que disputou e, com isso, possui 82% de vitórias – recorde máximo da competição!

E as marcas individuais não ficam só por conta dos jogadores. Nesta noite, a comissão portuguesa de Abel Ferreira completou a marca de 150 jogos disputados pelo Verdão. A conta não inclui as duas últimas partidas de 2021, quando o time foi comandado por comissão-técnica da base.

E nesses 150 duelos, são contabilizadas 87 vitórias, 32 empates e 31, dos quais 132 foram só com Abel Ferreira (77 vitórias, 26 empates e 29 derrotas; 16 com João Martins, 10 vitórias, 5 empates e uma derrota; e mais dois com o outro auxiliar, Vítor Castanheira: um empate e um revés.

Além dos títulos das Libertadores de 2020 e 2021, da Copa do Brasil de 2020, da Recopa Sul-Americana de 2022 e do Paulistão de 2022, a comissão segue detentora de marca avassaladora no retrospecto de jogos decisivos: venceram 20 de 27 disputas (74,07% das vezes); ou seja, considerando que valiam acesso à próxima fase ou título de qualquer competição, enquanto ficaram pelo caminho ou com o vice em apenas sete ocasiões (apenas 25,93% das vezes) – saldo extremamente favorável.

PALMEIRAS: Weverton; Marcos Rocha, Gustavo Gómez, Murilo e Piquerez; Danilo, Zé Rafael (Luan, aos 41’/2ºT), Raphael Veiga (Gabriel Menino, aos 30’/2ºT) e Gustavo Scarpa (Gabriel Veron, aos 30’/2ºT); Dudu (Wesley, aos 30’/2ºT) e Rony (Rafael Navarro, aos 41’/2ºT). Técnico: Abel Ferreira.

Gols: Rony (15’/2ºT) (0-1), Rony (24’/2ºT) (0-2), Murilo (41’/2ºT) (0-3).

Cartão amarelo (SEP): Gustavo Scarpa.

fonte: https://www.palmeiras.com.br/noticias/pelas-oitavas-palmeiras-bate-cerro-porteno-por-3-a-0-no-paraguai-e-impoe-recorde-de-vitorias-seguidas-na-libertadores/

Fonte: Agência Esporte

Comente abaixo:

COMPARTILHE

FAMOSOS

Últimas Notícias