NOVA XAVANTINA

Produtores rurais são os protagonistas para novo status sanitário de MT

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on whatsapp

Os produtores rurais do país são os atores principais neste novo momento da retirada da vacina contra a febre aftosa. Dos quatro pilares para evitar a doença: vacinação, vigilância, mitigação de riscos e emergência, a vacinação vai sair de cena e as demais terão que ser fortalecidas.

“Apenas 2% das propriedades rurais são fiscalizadas semestralmente pelo Ministério. No caso dos estados, são em torno de 4% das propriedades. Quem está no dia a dia são os produtores rurais, eles são os protagonistas em detectar se há ou não foco de aftosa no país, com a retirada da vacina”, disse, durante a 7ª Conferência Nacional sobre Defesa Agropecuária, em Belo Horizonte (MG), o fiscal do Ministério da Agricultura (Mapa), Diego Viali dos Santos, no painel sobre o processo de preparação do país para a retirada da vacina.

Consciente disso, a Coordenadoria de Sanidade Animal (CDSA), do Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso (Indea/MT) já abriu algumas frentes de trabalho para atuar juntos aos produtores.

“No plano estratégico, estão previstas ações de educação sanitária para aproximação com o produtor, campanhas de comunicação, confecção de livro contendo metodologias para que ele possa notificar suspeitas da doença, além de treinamentos simulados para atendimento de emergências sanitárias, para gerar mais confiabilidade no sistema e mais tranquilidade ao produtor”, comentou o coordenador da CDSA, Felipe Peixoto.

Ele também destaca a importância do Fundo Emergencial de Sanidade Animal (FESA) neste processo. “Ele dá sustentabilidade ao processo, porque 50% do total arrecadado vai para a indenização do produtor. Se tiver foco de aftosa, ele tem este recurso para indenizar em caso de prejuízo. O FESA é um dos mais fortes do Brasil”.

A partir do segundo semestre, o Indea, assim como outros órgãos de defesa agropecuária do país, vai receber consultoria para preparação da mudança no status sanitário. Conforme Diego Viali dos Santos, a economia do produtor, com a vacinação, é estimada em R$ 150 milhões no país. Em Mato Grosso, será em torno de R$ 72 milhões por ano, por ter o maior rebanho bovino nacional, em torno de 32 milhões de cabeças.

“O Governo do Estado se envolveu para que o Indea se prepare para aumentar a vigilância, investindo em veículos, equipamentos e concurso público para contratar mais servidores. Além disso, temos a participação dos fundos, uma parceria público-privado, que tem sido fundamental para reforma nas unidades do Indea”, disse a presidente do Indea, Emanuele Almeida.

Conforme o Mapa, a previsão é de que, em 2025, todo o continente americano seja zona livre de febre aftosa sem vacinação.

Fonte: GOV MT

Comente abaixo:

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on whatsapp

FAMOSOS

Últimas Notícias