NOVA XAVANTINA

Barranco cobra apuração de irregularidades em teste físico de concurso da Segurança Pública

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on whatsapp

Foto: FABLICIO RODRIGUES / ALMT

O deputado estadual Valdir Barranco (PT) pediu ao Procurador-Geral da Justiça do Ministério Público Estadual, José Antônio Borges, a apuração das irregularidades ocorridas durante a aplicação do Teste de Aptidão Física (TAF) do concurso da Segurança Pública de Mato Grosso (editais nº 006/2022, nº 007/2022, nº 003/2022 e nº 004/2022).

O parlamentar apresentou o Requerimento nº 376/2022 na manhã dessa quarta-feira (25), na Assembleia Legislativa, e aponta que muitos candidatos e candidatas relataram diversos erros durante e após o teste. “Recebi muitas denúncias sobre as falhas durante a realização da prova física e depois da prova. São chocantes as fotos e vídeos que as pessoas que realizaram a prova me enviaram como prova do absurdo que foi esse TAF. São lesões em várias partes do corpo. Isso é uma vergonha”, apontou.

A não disponibilização dos vídeos com as imagens do teste de cada pessoa também foi outra grave irregularidade relatada pelos candidatos. “Os concurseiros também nos passaram a falta do princípio de publicidade no concurso, pois as gravações não foram enviadas para os candidatos, proibindo assim o seu direito de defesa, uma vez que o recurso administrativo começou e fechou, e vários não tiveram a oportunidade de entrar no processo pela ausência de imagens”, disse Barranco.

Talvez a denúncia mais grave seja a direcionada para determinada atitude de um avaliador do teste. “Segundo várias pessoas, somente um avaliador reprovou mais de 40 candidatos. Eles me disseram que ele é professor e dono de uma academia direcionada para os exercícios do TAF e que teria favorecido seus alunos e alunas no teste. Isso fere o princípio de isonomia e imparcialidade”, apontou.

Barranco pede a anulação e suspensão da 3ª fase do concurso da PM/MT e BM/MT (TAF), conforme decisão que foi tomado no TAF do concurso realizado no Pará. “Peço que o certame seja anulado pela falta de equidade e pelo alto número de irregularidades no teste. Esses mesmos erros ocorreram no Pará. Até a denúncia de professor de curso preparatório sendo avaliador, assim como aqui no Estado. Os candidatos merecem um concurso com lisura e livre de erros”, finalizou.

Fonte: ALMT

Comente abaixo:

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on whatsapp

FAMOSOS

Últimas Notícias