NOVA XAVANTINA

Animais peçonhentos: curso orienta sobre prevenção e cuidados

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on whatsapp

Animais venenosos e peçonhentos são um tema perturbador, mas não deixam de ser um assunto fascinante. Apesar do medo que causam nas pessoas, eles são parte importante de nossa biodiversidade e têm um papel na cadeia alimentar que, na maioria dos casos, é benéfico para a espécie humana. Por isso precisamos entendê-los melhor para saber sobre os riscos reais que oferecem e como podemos nos defender. É com esse propósito que o sistema FAESP/SENAR-SP oferece o curso “Animais peçonhentos: espécies, prevenção de acidentes e primeiros socorros”.

Todo trabalhador rural em uma plantação está sujeito a encontrar algum animal venenoso – especialmente cobras, aranhas e escorpiões, que são os mais comuns e mais perigosos. Eles produzem uma substância tóxica (veneno) e são capazes de inocular esta substância por meio de seus dentes, presas e ferrões. O veneno que produzem tem a finalidade de capturar suas presas, a fim de se alimentarem delas, mas serve também para se defenderem de seus predadores naturais. Apesar de mais comuns em ambientes rurais, a expansão urbana desordenada alterou muitos ambientes naturais e não é raro ocorrerem incidentes envolvendo esses animais também em regiões urbanas.

O instrutor do SENAR-SP, Adilson Carvalho da Fonseca, explica que o curso fornece informações preciosas aos alunos, que podem salvar vidas. O conteúdo apresenta, por exemplo, o comportamento de cada um desses bichos, seus níveis de agressividade, se têm hábitos diurnos ou noturnos, e como agir ao se deparar com um desses animais, bem como as providências imediatas no caso de um ataque. “Antes, o animal peçonhento mais encontrado nas lavouras era a cobra, mas hoje em dia é o escorpião, sendo a espécie mais perigosa o escorpião amarelo, que tem um veneno muito forte e a pessoa atacada somente deve ser tratada com soro específico”, diz Adilson.

Segundo o instrutor, nem todo mundo sabe que existe soro para picada de escorpiões e aranhas – assim como os utilizados em serpentes. Porém, o antiveneno não pode ser manipulado por qualquer pessoa, por isso não é disponibilizado nas fazendas. Para administrá-lo é necessário um ambiente hospitalar no qual será avaliada a dosagem adequada para cada caso, de acordo com a gravidade, assim também controlando possíveis reações adversas à medicação.

Animais peçonhentos, quando saem de seus esconderijos, estão quase sempre à procura de alimento. No caso das cobras, seu principal alimento são os ratos. Escorpiões e aranhas têm um leque maior de alvos para seu sustento, como baratas e grilos. Impedir sua proliferação também ajuda a afastar os animais venenosos que são seus predadores. “É preciso ficar atento também em épocas de maior calor ou de chuva”, explica o instrutor. “Em dias quentes eles ficam mais ativos, e quando chove saem de suas tocas para evitar a água que entra nelas.”

As cobras que aparecem em plantações costumam ser as espécies subterrâneas, que enxergam muito mal e são surdas. O instrutor do SENAR-SP alerta que, mesmo assim, elas estão bem adaptadas ao meio em que vivem e usam seus outros sentidos para se defender. “Uma serpente nunca ataca se não se sentir ameaçada. Em caso de picada, o aluno aprende o que fazer e, principalmente, o que não fazer, porque tem muitos ensinamentos populares que são ineficientes e até perigosos”.

Uma das alunas que participou das aulas, que aconteceram por meio do Sindicato Rural de Botucatu, foi Izildinha de Fátima Strombeck Granzoto. Ela e o marido moram em uma chácara na zona rural de Botucatu desde que se aposentaram, onde o casal cria pequenos animais e cultiva alguns hortifrútis para consumo próprio. O esposo de Izildinha foi picado por uma jararaca logo que se mudaram para lá. O susto foi grande, mas no final deu tudo certo. Hoje, ela vê com outros olhos essa relação com a natureza. “O curso foi muito bom no sentido de desmistificar muitas questões que a gente não tinha noção do que fazer ou de como reconhecer se há perigo ou não. E a didática das aulas também é muito boa”, destaca. Izildinha destaca os temas que achou mais interessantes. “Hoje sei reconhecer se uma cobra é mesmo venenosa e como reagir em caso de acidente. Tem uma distância segura que a gente pode ter de uma serpente até para manuseá-la sem risco, com bastões e ganchos, e também sem precisar matá-la. Aprendi muito sobre os escorpiões, sobre como identificar as espécies mais perigosas, e a importância de agir rapidamente no socorro. Eu inclusive costumava matar aranhas com a mão, e descobri que algumas são muito perigosas”, afirma.

Cuidados nas plantações

É importante o trabalhador rural estar vestido com camisa de manga comprida, luva e botas sempre que possível, uma vez que não se pode prever o momento em que um animal peçonhento vai aparecer. Manter o mato rebaixado ao redor das casas evita que eles usem esses locais como esconderijo. Deve-se evitar também o acúmulo de entulho ou sobras de construções, que criam ambientes propícios para se fazer tocas.

Segundo Adilson, precisa haver uma mudança de hábitos tanto nas plantações quanto dentro de casas próximas a áreas de roça ou floresta. Atitudes como calçar um sapato assegurando-se de que não tem nada dentro dele, ou chacoalhar uma camisa antes de vesti-la, e agitar os lençóis da cama antes de se deitar. São ações simples que todas as pessoas devem fazer no dia a dia, uma vez que aranhas e escorpiões são capazes de escalar até mesmo cômodos superiores de sobrados ou andares altos de prédios. Manter ralos de toda a casa cobertos ou fechados enquanto não estiverem em uso também é uma atitude de prevenção bastante eficiente.

Cursos do SENAR-SP

Para realizar este e outros cursos, o interessado deve procurar um parceiro do SENAR-AR/SP (Sindicatos Rurais, prefeituras conveniadas ou associações) de seu município ou próximo a sua região e fazer sua inscrição. 

Para conhecer os cursos disponíveis, acesse o site https://faespsenar.com.br/cursos/

Outras informações acesse o Portal FAESP/SENAR-SP

Fonte: CNA Brasil

Comente abaixo:

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on whatsapp

FAMOSOS

Últimas Notícias