NOVA XAVANTINA

Conseleite-PR aponta reajuste de 10,47% no valor de referência em março

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on whatsapp


O valor de referência do litro de leite na parcial de março fechou em R$ 2,041. O valor supera em R$ 0,193 os R$ 1,847 de fevereiro, ou seja, uma alta de 10,47%. As cotações foram divulgadas em reunião do Conseleite-PR, realizada de modo virtual nesta terça-feira (29). No encontro, os integrantes do Conselho enfatizaram que essa variação elevada reflete especialmente a diminuição no volume disponível de leite causada pelos altos custos de produção e também a redução no poder aquisitivo do brasileiro com as altas taxas de inflação e de juros registradas nos últimos meses.

Seguindo a tendência da economia nacional e de todos os principais produtos do agronegócio, a totalidade dos lácteos analisados pelo Conseleite-PR na parcial de março comparados com fevereiro teve aumento no valor de referência. As maiores elevações foram constatadas no muçarela (11,5%), leite spot (11,4%), UHT (10,9%) e iogurte (10,4%). Os menores reajustes registrados estão na manteiga (2,5%), leite pasteurizado (2,6%) e queijo parmesão (3,1%).

“Precisamos olhar com cuidado para esses números, pois eles refletem uma condição atípica de mercado. Vivemos um período de queda na oferta de leite, pois temos custos de produção recordes. Na outra ponta, a população perde poder aquisitivo para a inflação em alta e o consumo diminui. Ainda não temos horizonte para o fim do que os analistas estão chamando de ‘tempestade perfeita’”, resumiu Ronei Volpi, presidente da Comissão Técnica de Bovinocultura de Leite da FAEP.

Outros assuntos

Durante a reunião, umas das principais pautas foi a preocupação do setor lácteo com a medida do governo federal, anunciada no dia 21 de março, que reduziu para zero a taxa de importação de café torrado, margarina, queijo, macarrão, açúcar e óleo de soja. “Com essa queda no dólar (R$ 4,77, no dia 29/03/22), nossa preocupação é outros países mandarem queijo muçarela para o Brasil. Isso afetaria de sobremaneira a nossa competitividade considerando os custos de produção elevados”, analisou o presidente do Conseleite-PR, Wilson Thiesen.

Volpi, que também é presidente da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva do Leite e Derivados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), enfatizou que há um movimento nacional para tentar reverter, ao menos em parte, essa medida no que diz respeito ao queijo. “A maior parte da importação de lácteos vem do Mercosul, onde a taxa já é zerada. Essa medida não traz grandes benefícios ao consumidor e tem possibilidade de onerar a cadeia de lácteos”, enfatizou Volpi.

Esteve na pauta ainda a realização de seminários pelo interior do Paraná para rever as questões metodológicas do Conseleite-PR. No dia 6 de abril, ocorre o primeiro desses encontros, com a participação de professores da Universidade Federal do Paraná (UFPR), representantes dos produtores e das indústrias que compõem o Conseleite. A ideia é esmiuçar como são levantados os dados que geram os valores de referência. Já estão confirmados encontros em Missal, Marechal Cândido Rondon e Toledo, no Oeste; e em Umuarama, no Noroeste, porém ainda sem datas definidas. Outras cidades que solicitarem a realização dos seminários também serão atendidas.

Fonte: CNA Brasil

Comente abaixo:

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on whatsapp

FAMOSOS

Últimas Notícias